FAMÍLIA

 

A dependência química é uma doença e  quem usa a substância dificilmente reconhece isso, o que acaba impedindo que se busque ajuda ou se queira tratar.

O papel da família é importante nesse aspecto, pois é ela que deve tomar a  decisão de internar o ente querido o mais rápido possível. Quanto mais rápido a doença for tratada, melhores serão os resultados do tratamento.

Antes de buscar ajuda, existem algumas medidas que a família pode tomar para tentar melhorar esse quadro.

  • Evitar julgamentos:A pior forma de agir com um dependente químico, é com julgamentos e condenações. A pessoa está doente e não se julga ou condena indivíduos em tais condições.
  • Amor e pulso firme: Toda abordagem deve ser feita com amor e paciência, mas a família jamais deve ceder aos desejos do dependente, devendo ter pulso firme e controle da situação.
  • Isolar o dependente não resolve: É comum os familiares tomarem esse tipo de atitude acreditando que isso fará o dependente parar de usar drogas, o que é um erro e pode levar o usuário a se sentir sozinho e rejeitado, agravando o quadro.
  • Não se sentir culpado: É importante que o familiar de um dependente não se sinta culpado pela doença e perceba que não pode controlar esse mal ou até mesmo curar seu ente querido. Só assim se pode evitar a co-dependência.
  • Dificultar o acesso do dependente químico às drogas: Uma mudança comportamental da família em relação a substâncias é de suma importância. Evite bebidas e cigarros dentro de casa e não leve o dependente a festas que tenham acesso livre a esses itens também.

Intervenção

Intervir é a melhor forma de ajudar.  É uma decisão muito difícil de ser tomada, especialmente quando o dependente não está de acordo, mas é extremamente necessária.